INE: 1.085.435 empresas facturaram 331,6 mil M€ em 2006

19/01/2009 at 15:15

Em 2006, existiam em Portugal 1 085 435 empresas que geravam um volume de negócios de 331,6 mil milhões de euros, revela a síntese do relatório “Anuários Estatísticos Regionais – 2007”.

Ao nível do país, as 4 (quatro) empresas com maior volume de negócios «contribuíam com 5,6% do volume de negócios gerado em Portugal. Ao nível municipal, um valor elevado do indicador de concentração das 4 maiores empresas sugere uma forte dependência da dinâmica da economia local», segundo nota o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Os municípios que apresentavam, em 2006, o indicador de concentração mais elevado situavam-se sobretudo no Interior do Continente ou nas regiões insulares: Santana (94%), Castro Verde (92%), Vila Velha de Ródão (85%), Mangualde (79%), Constância (76%), Alcanena (71%) e Campo Maior (70%).

Nestes municípios, a deslocalização ou dissolução de uma destas empresas poderá ter um impacto significativo na actividade económica. Em situação oposta, surgem municípios cuja actividade económica local está menos dependente de poucas empresas, isto é, a geração de volume de negócios está mais repartida.

Dos 78 mil milhões de euros de valor acrescentado bruto (vab) gerado no país em 2006, cerca de 12% provinha de sectores de alta e média-alta tecnologia. Em termos regionais, este valor só era superado no Alentejo Litoral (21%), Baixo Vouga (20%), Grande Lisboa (17%) e Península de Setúbal (14%).

Diário Digital.


A NOSSA DEPENDÊNCIA ECONÓMICA DA SOMINCOR É QUASE TOTAL

Segundo nota recente do INE- Instituto Nacional de Estatística, a que o Diário Digital fez referência, conforme pode ler-se supra, o concelho de Castro Verde é, a nível nacional, o segundo com o nível de dependência económica mais elevado, 92%. Em todo o país, só o município de Santana, na Madeira , apresenta uma taxa de dependência de uma única empresa mais elevada (94%) .

Infelizmente, não fomos criando , ao longo dos anos, como devíamos, alternativas económicas ao projecto Somincor e hoje, dependemos tanto dele que o encerramento da mina ou a suspensão da sua laboração seriam desastrosas para os castrenses.

A candidatura “POR CASTRO” defende e vai pôr em prática uma inversão profunda na política económica do concelho, incentivando, valorizando, acarinhando e apoiando todos os projectos agro-industriais de pequena e média dimensão que possam contribuir para a abertura de novas oportunidades de emprego e, por consequência, para o desenvolvimento local. Para tal, é essencial a criação de um PAE – Parque de Actividades Económicas para alojar as empresas e de um GDL – Gabinete de Desenvolvimento Local devidamente apetrechado para apoiar e fazer germinar as novas iniciativas de investimento.

Nesse sentido, tudo faremos para que Castro não seja a Somincor e o resto seja paisagem.

Entry filed under: 1. Tags: .

“POR CASTRO” COM OS AGRICULTORES “Por Castro” com a tradição


Calendário

Janeiro 2009
M T W T F S S
    Fev »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Most Recent Posts


%d bloggers like this: